"Porque a vida não é um conto de fadas e sim, um conto de fatos."

Cotas para negros: propagação da discriminação

E o assunto não cessa. A discussão sobre as cotas universitárias para os negros aumentam e geram murmúrios de indignação a todo momento. Afinal, abrir “espaço benéfico” de inserção social para grupos
específicos levam sim às discriminações dos demais e talvez deles próprios. Dar preferências a uns indica a exclusão de outros.
Num país que tanto se luta pela igualdade social é contraditório falar em cotas para uns, mesmo porque, nada mais são do que uma hipotética distinção racial de quem necessita de um “empurrãozinho”
ou de quem tem capacidade própria de conquistar um futuro digno. Não é cor que julga o potencial de cada pessoa! Deveria ser o conhecimento intelectual, as oportunidades contruídas por mérito próprio.
Acredito que as políticas de cotas não passam longe de ser mais um meio de amenizar a má gestão política do País. Se as apontam como um apoio aos mais necessitados, por que negros? Melhor seria uma “cota para os menos favorecidos”!
Afro-descendentes, caucasianos, indígenas e qualquer etnia que seja, devem ser tratadas com medidas igualitárias. Se a acessibilidade educacional é mais favorável a uns, que os governos se movimentem e invistam fervorosamente numa política educacional mais exemplar, onde ricos e pobres
possam desfrutar do mesmo grau de ensino.

1 comentários:

Famoso pela Glória de Deus! disse...

ola senhorita... muito bom o seu artigo, sou negro e tenho minha opiniao contra as cotas pois não és necessario ter privilegios somente para negros a entrar no ensino superior mas haver politicas para o desenvolvimento no ensinos fundamental e medio nas escolas publicas afim de os alunos da REDE PUBLICA ter igualdade a disputar as vagas nas instituiçoes de ensino superior PUBLICO no país inteiro e terminar nestas conpetições de cursinhos pré-vestibulares contra o ensino pleno!

Followers

About me

Minha foto
"Nunca satisfarei a todos e eu nem quero! Os célebres pensadores sempre foram criticados e nem por isso deixaram de contribuir para a inteligência e conhecimento humanos." (Carol Aleixo)